Notre Dame São Sebastião

13ª edição do projeto Gesto Concreto beneficiará mais de duzentas crianças

Promovida em ação conjunta pelos Hospitais Notre Dame Júlia Billiart, de Não-Me-Toque, e Notre Dame São Sebastião, de Espumoso, a 13ª edição do projeto social Gesto Concreto comercializará camisetas a fim de arrecadar recursos para a compra de kits com alimentos, brinquedos e materiais escolares.

 

Tais donativos serão destinados a mais de duzentas crianças em situação de vulnerabilidade social das escolas Asbam Tia Nastácia e Asbam Tia Sibyla, em Não-Me-Toque, e da Escola Municipal de Educação Infantil Criança Esperança, em Espumoso.

 

A iniciativa surgiu em alusão ao Dia do Fisioterapeuta, celebrado em 13 de outubro. A concretização dessa ação, como lembra a coordenadora do projeto, Ir. Margarete Cerutti, reforça o compromisso social da instituição. “É recompensador”, descreve, em referência ao sorriso despertado nas crianças que recebem os kits.

 

As camisetas já podem ser adquiridas diretamente nos Hospitais. Para mais informações, é possível contatar o Hospital Notre Dame Júlia Billiart, pelo telefone (54) 3320-0100, ou o Hospital Notre Dame São Sebastião, pelo telefone (54) 3383-4200.

Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas alerta sobre importância do diagnóstico precoce

Celebrado, anualmente, em 15 de setembro, o Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas tem como principal objetivo alertar a população sobre a importância de identificar precocemente os sintomas da doença, facilitando, assim, seu tratamento. Originalmente, a campanha foi criada pela Coalização Linfoma – uma organização internacional que luta pela prevenção e diagnóstico precoce desse tipo de câncer.

O linfoma afeta o sistema linfático – parte do corpo responsável pela defesa do organismo contra doenças e infecções – e caracteriza-se quando o linfócito – um tipo de glóbulo branco – se transforma em uma “célula maligna”, crescendo de modo descontrolado e criando outras células idênticas, o que compromete os demais órgãos. Ele também pode surgir nos tecidos linfáticos, como os linfonodos, o fígado, o baço e a medula óssea.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), aproximadamente 4 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência de linfomas no Brasil. Só no Rio Grande do Sul, são diagnosticados em torno de 5.400 novos casos de Linfomas Não Hodgkin por ano em homens e 4.800 em mulheres. Além disso, 1.500 novos casos de Linfoma de Hodgkin são registrados anualmente em homens e 1.050 em mulheres.

A principal causa das mortes é justamente o desconhecimento sobre a doença que, caso seja diagnosticada precocemente, apresenta elevado índice de cura. Para isso, é preciso estar atento aos principais sintomas, que incluem febre (vespertina), surgimento de ínguas (sem motivo específico), perda de peso, perda de apetite, coceira na pele, fadiga e sudorese noturna anormal. Tais sinais, contudo, também são comuns a outros tipos de doenças.

Atualmente, há diferentes formas de tratamento para os linfomas, dependendo de seu tipo, sua extensão e das características do paciente. Na maioria dos casos, opta-se por quimioterapia, imunoterapias, terapias celulares e radioterapia. Entretanto, em algumas situações, também poderá ser necessária a realização de transplante de medula óssea.

Por: Dra. Moema Nenê Santos

Setembro Verde promove conscientização sobre o câncer de intestino

 

O câncer colorretal figura entre os mais incidentes no Brasil e no mundo. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), estimam-se, para este ano, 17.620 novos casos da doença em mulheres e 16.660 em homens. Por isso, a fim de alertar e conscientizar a população acerca da prevenção da doença, a Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) promove a campanha Setembro Verde.

Geralmente, o câncer de intestino é precedido de um pólipo – pequena verruga na mucosa do intestino -, que leva alguns anos para se desenvolver, sendo possível diagnosticá-lo antes que se torne maligno. Pessoas com casos de pólipos na família devem ficar alertas, assim como portadores de doenças inflamatórias intestinais.

O câncer colorretal também está relacionado a fatores de risco, tais como hábitos de vida não saudáveis, consumo elevado de carnes vermelhas e processadas, e pouca ingestão de frutas, legumes e verduras, além de obesidade, sedentarismo, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabagismo e idade – principalmente a partir dos 50 anos.

As recomendações são claras: alimentação balanceada – com boa ingestão de água e de fibras alimentares –  e prática de exercícios físicos. A escolha pela atividade pode compreender desde uma simples caminhada três vezes por semana até a hidroginástica – ou, até mesmo, outras modalidades sugeridas por um médico ou educador físico.

Ao colocar em prática tais cuidados, aliados a visitas regulares ao especialista e à realização dos exames indicados, o combate e a prevenção ao câncer colorretal tornam-se mais eficazes e assertivos.

 

Por: Dr. Luis Alberto Schlittler

Consumo de álcool é fator de risco para desenvolvimento de câncer

“Beba com moderação”: tal afirmação já está incorporada em nossa relação com o álcool, ainda que, nem sempre, a recomendação se aplique na prática. O relatório da World Cancer Report (WCR) – emitido pela IARC (Agência Internacional da Organização Mundial da Saúde para Pesquisa sobre o Câncer) – indica, por exemplo, que, quando se trata de câncer, nenhuma quantidade de álcool é segura. Além disso, quanto mais álcool uma pessoa ingere maior o risco de desenvolver a doença.

Declarado cancerígeno ainda em 1988, o álcool é relacionado a diversos tipos de câncer, como o de boca, de faringe, de laringe, de esôfago, de cólon e reto, e de fígado – além de uma significativa relação com o câncer pancreático. Em uma revisão de 222 estudos, compreendendo 92 mil pacientes oncológicos que se consideram consumidores leves de álcool e 60 mil pacientes abstêmios, o ato de beber moderadamente esteve associado ao câncer de orofaringe, ao carcinoma de células escamosas do esôfago e ao câncer de mama feminino.

Por sua vez, nem todo organismo responderá da mesma forma à ingestão da substância, visto que o álcool atua de forma diferente em cada indivíduo, dependendo das condições de saúde, do peso e da composição corporal. Contudo, os fatores externos (modificáveis) podem ajudar a prevenir o desenvolvimento do câncer, a partir de ações como: adotar uma alimentação saudável e equilibrada – que contenha frutas, legumes e verduras -, praticar exercícios físicos, evitar a obesidade e não fumar.

 

Por: Dr. Luis Alberto Schlittler

O que é cirurgia de cabeça e pescoço?

A cirurgia de cabeça e pescoço é uma especialidade voltada para prevenção, diagnóstico, tratamento clínico e cirúrgico de patologias que acometem essa região, excetuando o cérebro – que é tratado pelos neurologistas e neurocirurgiões.

Os tumores de cabeça e pescoço são, hoje, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o nono tipo de câncer mais comum no mundo – o que evidencia a importância da prevenção, do diagnóstico e tratamento precoces.

Entre as doenças tratadas pelo cirurgião de cabeça e pescoço temos, com maior frequência, os nódulos de tireoide e os tumores de cavidade oral. No entanto, essa especialidade também trata lesões de pele na face, couro cabeludo e pescoço, lesões da garganta, da laringe (o órgão da voz), de glândulas salivares, fossas nasais e nódulos cervicais.

Sendo assim, é recomendado que se procure o cirurgião de cabeça e pescoço nos seguintes casos:
• sempre que apresentar lesões na boca com mais de duas semanas de duração;
• presença de alterações da voz com mais de duas semanas de duração;
• presença de dificuldade ou dor para engolir, engasgos;
• nódulos cervicais ou nódulos em tireoide;
• dificuldade para respirar;
• presença de lesões de pele – principalmente aquelas com alteração de cor, crescimento, dor, coceira ou sangramento local.

Além dessas indicações, todos os pacientes tabagistas ou que abusam do álcool têm indicação de avaliação com um cirurgião de cabeça e pescoço para orientações e o diagnóstico precoce de tumores.

Por: Elizia de Bitencourt – Médica Especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

O tabagismo é prejudicial ao fígado?

Diariamente, nos consultórios médicos, recebemos pacientes com doença hepática, que são fumantes e ingerem bebidas alcoólicas. Há vários anos, conhecemos os efeitos maléficos do álcool no fígado, mas o que poucas pessoas sabem é que o hábito de fumar também é prejudicial nesse sentido. O erro mais comum do alcoolista que apresenta cirrose ou outra doença hepática é dizer “agora vou parar de beber por causa do meu fígado, mas vou continuar fumando, porque o cigarro não tem problema…”.

É importante salientar, portanto, que o fígado tem uma função importante na filtragem do sangue. Ao ingerirmos substâncias prejudiciais ao organismo, o fígado as expele pelo intestino, através das fezes. Com o tabagismo, por exemplo, grande parte das substâncias cancerígenas e das toxinas presentes no cigarro são absorvidas pelo pulmão e caem na circulação sanguínea, indo diretamente para o fígado – que, ao tentar filtrar tais toxinas, tem sua função comprometida, principalmente se ele já for um órgão doente.

Além disso, nos últimos anos, diversas publicações científicas sugerem que fumar faz mal para o fígado e o tabaco é um fator de risco para o surgimento do câncer de fígado. Esses estudos revelam que o tabagismo acelera ou agrava uma doença hepática pré-existente, como esteatose (gordura no fígado), hepatite crônica pelos vírus da hepatite B e C ou qualquer outra forma de hepatite crônica.

Baseado nessas informações, podemos concluir que fumar também faz mal ao fígado, seja ele doente ou sadio. Portanto, a recomendação atual é que pessoas com doenças hepáticas já conhecidas devem abandonar tanto o uso de bebidas alcoólicas quanto o tabagismo.

Por: Dra Raquel Scherer de Fraga/Hepatologista e Professora de Medicina da IMED.

Cuidado paliativo pode ser indicado para pacientes idosos

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), cerca de 50% dos diagnósticos de câncer e 70% das mortes causadas por essa doença ocorrem em indivíduos acima de 65 anos – números que tendem a crescer conforme o percentual de idosos aumenta.

Pensando nisso, o cuidado paliativo é indicado para todas as pessoas que sofrem com o câncer, especificamente em situações nas quais ele ameace a continuidade da vida. Geralmente, a aplicação desses cuidados é mais aceitável em pacientes mais velhos, mas é importante salientar que, além do câncer, outras doenças frequentes na população idosa também possuem indicação de cuidados paliativos, tais como demências, insuficiência cardíaca, enfisema pulmonar e a doença renal crônica.

Os princípios do tratamento de câncer em pacientes mais velhos são os mesmos aplicados nos mais jovens. A diferença é que, no caso dos idosos, eles podem, em decorrência da idade, apresentar decadência da função de órgãos e, por essa razão, carecem de uma atenção especial quanto aos riscos da quimioterapia em relação à qualidade de vida. Desse modo, a fim de tornar os tratamentos mais eficazes, a detecção precoce do câncer é sempre importante para todos os pacientes.

Por fim, determinar a melhor estratégia no tratamento oncológico para o paciente idoso requer uma avaliação completa, que analisa a expectativa de vida do paciente, sua aptidão física, apoio social, opções e crenças pessoais. Portanto, na hora de escolher seu médico especialista, certifique-se que ele é de confiança para conversar com você sobre todos os processos envolvidos nesse período.

Por: Dr. Luis Alberto Schlittler – Médico Oncologista

Humanização norteia encontro promovido com profissionais de saúde

Temos uma tendência natural de alavancar os aspectos negativos do cotidiano. Sendo assim, é de grande valia oportunizar momentos de sensibilização e reflexão para que o profissional de saúde possa, a partir de vivências positivas e significativas, perceber a importância do trabalho que exerce na vida das pessoas – promovendo, assim, sua autoestima.

Com esse intuito, os funcionários do Hospital Notre Dame São Sebastião (HNDSS) participaram de um encontro de desenvolvimento sobre o tema “Humanização”, cujo objetivo foi desenvolver a sensibilidade e a empatia dos profissionais, a fim de que possam colocar-se no lugar do paciente – entendendo seus sentimentos e necessidades – e qualificar a prestação de serviço.

Estudo apresenta novidades sobre o câncer colorretal

Um estudo realizado na Universidade de Trento (Itália) e publicado na revista Nature Medicine apresentou novidades acerca do câncer colorretal, indicando que o microbioma – conjunto de microrganismos presentes no intestino – pode ser usado para antever a doença.

Desenvolvida por estudiosos da Universidade de São Paulo (USP), com o apoio da FAPESP, a pesquisa foi conduzida a partir da análise do microbioma intestinal, durante a qual, em algumas amostras, foram detectadas alterações e a ocorrência da patologia. Para isso, os pesquisadores combinaram análise de metagenômica, bioinformática e aprendizagem de máquina para estabelecer a relação com o câncer.

A partir desse estudo – que contou com a participação de 969 pessoas de diferentes países – surgiram outras descobertas importantes para a área, como o fato de que há maior quantidade de bactérias no intestino de pessoas que estão com o câncer colorretal e, ainda, a associação entre a doença e a presença de uma enzima que destrói a colina – nutriente que faz parte do complexo B de vitaminas.

Até então, os pesquisadores acreditavam que o ambiente ácido do estômago eliminasse os microrganismos, contudo, os pacientes com câncer colorretal possuem um número mais elevado de espécies orais que se deslocam para o intestino. A causa dessa movimentação ainda é desconhecida.

Essas novas descobertas, por sua vez, levam a um questionamento: são as bactérias que estão causando o câncer ou é a doença que cria um ambiente diferente e favorece o aparecimento de certas bactérias? A resposta ainda não foi encontrada pelos pesquisadores, mas, futuramente, ela será importante para auxiliar em novos tratamentos para o câncer colorretal.

Por: Dr. Luis Alberto Schlittler

Julho é o mês de conscientização sobre as hepatites virais

Caracterizadas como inflamações no fígado que podem ser causadas por vírus, bactérias ou pelo consumo excessivo de produtos tóxicos – como álcool ou medicamentos, as hepatites podem tornar-se crônicas, levando a outras doenças – como cirrose e câncer. Por isso, a campanha Julho Amarelo – criada em alusão ao Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, lembrado em 28 de julho – visa conscientizar a população sobre a importância da prevenção, do diagnóstico e do tratamento dessa doença.

Há três principais tipos de hepatites virais, sendo elas Hepatite A, Hepatite B e Hepatite C, que, em geral, são assintomáticas. Assim, o diagnóstico ocorre por meio de exames de sangue. A Hepatite A, por exemplo, é transmitida por via fecal-oral, pelo consumo de alimentos, talheres e copos contaminados. Já na Hepatite B, a transmissão acontece a partir de relações sexuais, de objetos perfuro-cortantes que contenham sangue contaminado ou de mãe para filho.

A contaminação pelo vírus da Hepatite C, por sua vez, se dá, principalmente, por meio de sangue contaminado. Nesse caso, as chances de a transmissão ocorrer de mãe para filho ou por relações sexuais são inferiores a 15%. De acordo com a médica hepatologista e doutora em Gastroenterologia, Raquel Scherer de Fraga, a Hepatite C foi uma das doenças cujo tratamento mais evoluiu nos últimos 20 anos. “Surgiram medicamentos altamente eficazes e com um perfil de segurança muito bom, ou seja, com poucos efeitos adversos”, afirma a especialista.

Atualmente, segundo a especialista, as chances de cura estão próximas a 100% dos casos. “O novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas das Hepatites Virais contempla tratamento para todos os pacientes pelo Sistema Único de Saúde, o SUS, independentemente do grau de lesão hepática”, explica. Salienta-se, ainda, que as hepatites A e B podem ser prevenidas com vacinas – disponíveis na rede pública de saúde e que integram o calendário de vacinação infantil.

Dra. Raquel Scherer de Fraga

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), residência Médica em Medicina Interna no Hospital Nossa Senhora da Conceição (1999-2000), residência em Gastroenterologia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (2001-03). Mestre em Gastroenterologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005), doutora em Gastroenterologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Médica gastroenterologista, com Certificado de Área de Atuação em Hepatologia.Preceptora do Programa de Residência Médica em Gastroenterologia da Universidade Federal da Fronteira Sul / cenário de prática no Hospital de Clínicas de Passo Fundo.