Notre Dame São Sebastião

Saiba mais sobre o condiloma anal

Por Grasiela Elisa Scheffel

Cirurgiã com Pós-graduação em Coloproctologia
e integrante do corpo clínico do Hospital Notre Dame São Sebastião

Também conhecidos como verrugas anais, os condilomas são pequenas protuberâncias que podem afetar a pele em torno do ânus ou o interior do canal anal.

Considerados como Doença Sexualmente Transmissível, pois é através do contato íntimo e direto que ocorre a transmissão do seu agente causador: o Papiloma Vírus Humano. Entretanto, não é necessário haver penetração para o surgimento de lesões – cujo sintoma mais comum é a coceira.

Podendo causar sangramento e, mais raramente, dor, as verrugas costumam ser percebidas pelo próprio paciente. Porém, assim como podem surgir dentro do canal anal, as lesões podem ser muito planas, passando despercebidas durante a higiene. Por isso, é de grande importância a realização periódica de exame preventivo da região anal.

Identificando os condilomas, o coloproctologista irá recomendar o tratamento mais indicado – desde a aplicação local de medicamentos, quando é diagnosticado um pequeno número de verrugas, até intervenção cirúrgica.

É importante enfatizar que, por serem lesões causadas pelo HPV, elas podem estar relacionadas à ocorrência de câncer na região anal. Além disso, quando não tratadas, podem se espalhar ou crescer.

Também vale ressaltar que, mesmo após o tratamento mais recomendável, há a possibilidade de que os condilomas ressurjam. Por isso é imprescindível a realização periódica de exames.

No que diz respeito à sua prevenção, recomenda-se o uso de preservativo durante a relação sexual.

Hospital São Sebastião e Sicredi assinam convênio

Na tarde da última quinta-feira (25), o Hospital Notre Dame São Sebastião e o Sicredi Espumoso oficializaram um Acordo de Cooperação – o qual prevê a disponibilização de uma linha de crédito com condições especiais aos associados da região de abrangência da cooperativa, a fim de que possam submeterem-se a exames e cirurgias.

Para acessá-la, o cooperado deve solicitar um orçamento à casa de saúde e, posteriormente, deve encaminhá-lo à sua respectiva agência, onde o seu pedido de crédito será analisado.

Como exaltaram, à assinatura do convênio, os gerentes das agências mantidas pela instituição financeira na região, Daiane Pertile Flores e Marcos Roberto de Moraes, a parceria pretende facilitar e agilizar a realização de procedimentos eletivos.

Por sua vez, o coordenador administrativo e financeiro do Hospital, Rafael Scolari, reforçou o comprometimento da instituição em colaborar com o bem-estar dos cidadãos residentes no Alto da Serra do Botucaraí, seja por meio do tratamento a patologias ou da contribuição com a autoestima.

 

Saiba mais sobre o ceratocone

Por Camila Comin

Oftalmologista e membro do corpo clínico do Hospital Notre Dame São Sebastião

Uma doença da córnea diagnosticada em uma a cada 2 mil pessoas, o ceratocone é caracterizado pelo aumento irregular da sua curvatura, de modo que o órgão assume o formato de um cone.

Afetando ligeiramente mais mulheres que homens, seus primeiros sintomas são, geralmente, identificados ainda na adolescência. Observa-se, então, que a doença costuma evoluir até os 30 ou 35 anos, quando ocorre uma estabilização natural.

O aparecimento e a progressão do ceratocone – cujos principais sintomas são o embaçamento e a distorção da visão, além do aumento frequente dos graus de miopia e astigmatismo – costumam decorrer de uma combinação entre fatores genéticos e ambientais, como o hábito de coçar os olhos.

Mesmo que já existam alternativas terapêuticas para a estabilização da doença e a reabilitação visual, como o uso de óculos e lentes de contato especiais ou, ainda, métodos cirúrgicos, deve-se evitar friccionar os olhos – ato que é o maior fator de risco para o surgimento do ceratocone.

Mas, afinal, o que um reumatologista trata?

Por Afonso Papke

Reumatologista e membro do corpo clínico do Hospital Notre Dame São Sebastião 

O reumatologista é o médico especialista no tratamento de reumatismos – doenças que se manifestam em qualquer órgão e são caracterizadas pelo acometimento do Sistema Musculoesquelético, causando dor e inflamação nas articulações. Entre elas, estão a artrite reumatoide e a associada à psoríse, e espondiloartrite e o lúpus.

O reumatologista é, também, o profissional habilitado para o tratamento de dores crônicas não inflamatórias, como as de artrose e fibromialgia – doenças que podem ocorrer em qualquer idade, acarretando sérios prejuízos à qualidade de vida dos pacientes, caso os sintomas não sejam adequadamente tratados.

A atuação desse especialista, comumente, é norteada por avaliação clínica, além de exames laboratoriais e de imagem.

Hospital São Sebastião inaugura leitos exclusivos para tratamento da Covid-19

Subsidiados pelo Executivo e pelo Legislativo dos municípios de Alto Alegre e Espumoso, além da sua respectiva Comarca, cinco leitos de Unidade de Terapia Intensiva passam a estar disponíveis, no Hospital Notre Dame São Sebastião, a pacientes que apresentarem quadros extremos da Covid-19. A união entre os três poderes, além da contribuição das comunidades, permitiu, ainda, o aumento da capacidade de atendimento a casos de menor gravidade, graças à inauguração de seis leitos clínicos exclusivos para tratamento de infectados pelo novo coronavírus.

Realizada na última sexta-feira (19), a solenidade inaugural foi prestigiada pela presidente da Congregação de Nossa Senhora – mantenedora da Rede de Hospitais Notre Dame, Irmã Rosa Hoelscher; pela diretora dos Hospitais Notre Dame, Irmã Cristina Backes; e pelo administrador financeiro do Hospital Notre Dame São Sebastião, Rafael Scolari. Eles, em nome dos cidadãos domiciliados na área para a qual a casa de saúde é referência, demonstraram às autoridades presentes a gratidão pelo empenho empregado na ampliação do atendimento a pacientes sintomáticos da Covid-19, tendo em vista a projeção de que o pico da doença, no Rio Grande do Sul, deve ocorrer nas próximas semanas.

Entre elas, estavam os prefeitos municipais de Alto Alegre, Gilmar Tonello, e de Espumoso, Douglas Fontana; representantes dos seus respectivos Secretários Municipais de Saúde, Flávia Dierings e Marileisa Valandro; representantes das Câmaras de Vereadores de ambos os municípios, Marines Orsolin Batistti e Roberto Carlos Iopp; e a Promotora da Comarca de Espumoso, Suzane  Hellfeldt.

Foi lembrada, também com gratidão, a colaboração de organizações, como a Associação de Assistência à Saúde dos Funcionários da Cotriel e a Cooperativa de Crédito Sicredi, além do empenho de cidadãos do Alto da Serra do Botucaraí, para equipar o Hospital Notre Dame São Sebastião, visando ao enfrentamento à pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Do aplauso à ação: Comunidade regional contribui com o Hospital São Sebastião

Estimuladas pela pandemia, a empatia, a generosidade e a solidariedade têm tornado-se, na atenção aqueles que mais necessitam de cuidados, concretas. Exemplo disso é a colaboração da comunidade do Alto da Serra do Botucaraí com o Hospital Notre Dame São Sebastião – referência regional para atendimentos de baixa e média complexidade, inclusive da Covid-19.

O pajador Alencar Teleken, por exemplo, apresentou seus versos em uma live nas mídias sociais, visando arrecadar recursos financeiros, materiais de higiene e de limpeza, além de equipamentos de proteção individual, em prol da casa de saúde.

O grupo de Escoteiros Sentinela do Jacuí, por sua vez, produziu sabão de álcool e glicerina, a fim de beneficiar o Hospital. A instituição, ainda, recebeu a doação de máscaras reutilizáveis, confeccionadas por Angélica Severo de Casca.

A mobilização comunitária voltada ao atendimento adequado dos pacientes internados na casa de saúde, no entanto, prossegue. Procure o próprio Hospital para contribuir com materiais diversos ou doe qualquer valor, por meio de transferência para a conta descrita abaixo:

Banco: Sicredi
Agência: 0218
Conta: 27666-9
Razão Social: Hospital Notre Dame São Sebastião
CNPJ: 92.017.516/0010-58

Hospital São Sebastião serve otimismo aos pacientes

O distanciamento, ao qual a pandemia provocada pelo novo coronavírus nos impele, desafia-nos a encontrar novas formas de demonstrar afeto. Nos hospitais, não é diferente. Afinal, o processo de humanização do tratamento médico também precisa reinventar-se.

Por isso, a equipe de Nutrição e Dietética do Hospital Notre Dame São Sebastião buscou meios seguros para acolher e encorajar aqueles que, neste momento, estão mais fragilizados.

Como descreve a nutricionista responsável pela alimentação dos pacientes, Jordana Tirloni, as refeições passaram a  ser servidas acompanhadas de frases motivacionais. “Desejamos que eles se sintam incentivados a comer e, também, inspirem a confiança na sua recuperação”, justifica a profissional.

 

Resultados de exames passam a ser disponibilizados via internet

Visando à comodidade daqueles que procuram os serviços de diagnóstico oferecidos pelas suas unidades, a Rede de Hospitais Notre Dame passa a disponibilizar, via internet, os resultados dos exames.

Para isso, basta que o paciente acesse o endereço hospitais.notredame.org.br/resultados-de-exames. Em seguida, opte pelo Hospital onde se submeteu aos testes e preencha corretamente os campos, conforme informado no momento de realização do exame.

Em caso de dúvidas, ele deve procurar a casa de saúde, por meio de telefonema ou de mensagem enviada pelo WhatsApp:

  • Hospital Notre Dame Júlia Billiart: (54) 3320-0100 / (54) 9 9963-6264
  • Hospital Notre Dame São Sebastião: (54) 3383-4200 / (54) 9 9178-0626

 

Em meio a diferentes formas de luto, a empatia é ainda mais essencial

Por Luiz Henrique Toledo

Psicólogo pós-graduado em Avaliação e Diagnóstico Psicológico
e membro do quadro funcional do Hospital Notre Dame São Sebastião

Recentemente, um artigo publicado pela Harvard Business Review apontou que o intenso desconforto sentido por algumas pessoas, durante a pandemia de Covid-19, pode ser caracterizado como luto.

Segundo o estudo, as emoções decorrentes do período de isolamento social são vinculadas a sentimentos acarretados pela perda – neste caso, não necessariamente de uma pessoa, mas da liberdade.

Além desse luto, outros mais são experimentados graças ao surgimento do novo coronavírus, como o antecipatório – um luto fundamentado na ansiedade, que é vivenciado quando se percebe o futuro incerto, provocando uma ruptura com a sensação de segurança.

Para superar o luto, um bom começo é compreender os seus diferentes estágios – lembrando que eles não se desenrolam de forma linear e nem, necessariamente, na seguinte ordem:

– Negação: “Esse vírus não irá nos afetar.”
– Raiva: “Você está me fazendo ficar em casa e tirando minhas atividades.”
– Barganha: “Ok, se eu permanecer em isolamento social por duas semanas tudo ficará bem, certo?”
– Tristeza: “Eu não sei quando isso irá passar.”
– Aceitação: “Isso está acontecendo, eu preciso descobrir como proceder.”

É na aceitação que reside o poder, pois é nela que temos controle sobre as nossas atitudes – como fazer a correta higienização das mãos, manter uma distância segura dos outros indivíduos e buscar alternativas para trabalhar de forma remota.

Para alcançá-la, porém, é preciso estar presente – uma condição favorecida pela prática de meditação ou mindfulness. Afinal, no momento presente, nada do que você antecipa está acontecendo. Nele, você está bem.

É necessário, também, abrir mão daquilo sobre o que não se tem controle, direcionando esforços para aquilo está ao seu alcance – as posturas preventivas individuais, por exemplo.

Finalmente, este é um bom momento para praticar a compaixão, compreendendo que os indivíduos experimentam diferentes níveis de medo e de luto, que se manifestam de formas, também, diferenciadas.

 

 

 

Ao superar a Covid-19, paciente é homenageada pela equipe hospitalar

Sob aplausos: foi assim que Cleci Pereira da Silva deixou o Hospital Notre Dame São Sebastião, na tarde da última sexta-feira (08). Reproduzindo um rito protagonizado por profissionais da saúde de todo o mundo, a aclamação denota a alegria pela a vitória da paciente de 66 anos sobre a Covid-19 – doença que, uma semana antes, a levou à internação.

Natural do município de Tunas, a idosa agradeceu à casa de saúde pelo atendimento prestado e recomendou a todos que sigam com rigor as orientações de distanciamento social, etiqueta respiratória e higiene, a fim de que evitem a contaminação pelo novo coronavírus.